Regras para levar medicamentos na viagem

Os viajantes que usam medicação contínua, incluindo os medicamentos de uso controlado, podem viajar com toda tranquilidade, desde que sigam algumas regras

Viajar é mesmo uma das melhores coisas da vida não é verdade? Mas para aproveitar tudo o que uma viagem tem para oferecer é preciso tomar alguns cuidados. Um deles é levar com você os seus medicamentos de uso contínuo. Se a dúvida de como transportá-los lhe aflige e – algumas vezes – já adiou seus passeios por não saber como proceder, continue lendo e confira as regras para levar medicamentos na viagem.

A boa notícia é que você não ficará sem os seus remédios de todo dia. Sim. Os viajantes que usam medicação contínua, incluindo os medicamentos de uso controlado, podem viajar com toda tranquilidade, desde que sigam algumas regras.

Como transportar medicamentos em viagens de avião?

1. Medicamentos de uso contínuo

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) não impede o transporte de medicamentos em voos que saem do Brasil com destinos para dentro e fora do País, mas os passageiros precisam saber que é imprescindível apresentar a receita médica no ato do embarque. Isso é importante para evitar imprevistos tanto no momento do embarque quanto na chegada ao seu destino final.

Para as viagens ao exterior, é recomendável que você leve, também, uma versão da prescrição em inglês, além da nota fiscal da compra dos produtos. Todas as regras valem também para os medicamentos de uso controlado, ou seja, aqueles em que uma via da receita fica retida na farmácia.

Se o médico prescrever o medicamento em apenas uma via, solicite à farmácia que faça uma cópia da receita e entregue a você. Esse cuidado é para a receita de talonário branco e também para a receita (notificação) azul. Aliás, esse procedimento pode ser solicitado por qualquer pessoa, independentemente de ela estar com viagem marcada ou não. É um direito manter consigo uma cópia da sua receita.

2. Medicamentos para diabetes

Existe, ainda, uma regra específica para os viajantes diabéticos. Segundo a Anac, o transporte deve ser feito sempre em bagagem de mão. Por ser um medicamento líquido, a insulina deve estar acompanhada de prescrição médica e a quantidade não pode ultrapassar os 100 ml para os voos internacionais. Já nos voos dentro do Brasil, basta estar portando a receita no momento do embarque.

3. Medicamentos isentos de receita

No caso dos remédios que não necessitam de receita (a chamada “farmacinha” pessoal), há uma única restrição: se o medicamento for líquido, há um limite de 100 ml por frasco e sempre precisa ser carregado na bagagem de mão. Aliás, esse tipo de medicamento segue a mesma norma de outros produtos líquidos (como shampoo e condicionador), os quais precisam ser acondicionados em uma embalagem plástica transparente, incolor e vedada, além de possuir no máximo as dimensões de 20 cm x 20 cm.

Existem algumas ressalvas com relação a alguns medicamentos que são largamente comercializados no Brasil, mas são proibidos em outros países. Um exemplo é a dipirona, que é proibida nos Estados Unidos. Por isso, é fundamental pesquisar quais são os medicamentos com uso proibido em outros países antes mesmo de viajar. Nestes casos, mesmo que o remédio seja de ‘venda livre’ (sem receita) no Brasil, é imprescindível pedir a um médico que faça uma receita prescrevendo também esse medicamento.

Qual é o tipo de bagagem mais adequada para carregar os medicamentos?

Seus remédios devem estar sempre consigo, em sua bagagem de mão e dentro das embalagens originais. Isso porque, se ocorrer extravio da mala despachada, você não ficará sem os seus medicamentos – o que é fundamental quando forem medicamentos de uso contínuo como aqueles para doenças cardiovasculares, diabetes, depressão, entre outras.

Qual é a quantidade de remédios que pode ser transportada na viagem de avião?

Essa é uma questão que pode variar bastante, já que depende da quantidade de dias que sua viagem durar. No entanto, é extremamente prudente que você leve uma quantidade maior de medicamentos. Exemplificando: se a viagem durar uma semana, leve uma quantidade suficiente para o igual período de tempo, para um imprevisto de ter a viagem de volta adiada.

É possível comprar medicamentos, de uso contínuo e controlado, no exterior?

Para comprar medicamentos no exterior, o viajante que adquiriu o seguro viagem deve passar em uma consulta num hospital local para poder solicitar uma receita com a mesma medicação que você usa normalmente. Isso porque, a prescrição feita no Brasil não é válida no exterior.

Cabe ressaltar, ainda, que as consultas não emergenciais não são cobertas pelo seguro. Com isso, fica claro que o mais prudente é prevenir-se e levar a quantidade correta dos medicamentos que você e sua família usam.

Agora que você já sabe como proceder com relação às regras para levar medicamentos na viagem, aproveite para conhecer o blog do Clube Candeias e ter mais dicas de viagens.


Gostou deste artigo? Deseja receber mais conteúdos como este?